Existências do Cinema Baiano

Vinte e um filmes compõem a Mostra Competitiva Bahia. Uma pluralidade de desejos e usos do cinema, assim como uma multiplicidade de lugares e corpos a realizarem (e a ocuparem a imagem) se apresentam e se afirmam neste conjunto organizado em quatro programas.

Trata-se de um vigoroso recorte da produção curta-metragista do estado – no período de 2016 a 2018 - onde os filmes reclamam outros centros ou mesmo a descentralização. Se o lema do Festival Mimoso é o Deslocamento e, portanto, também o deslocar-se, estes filmes materializam este desejo nos seus modos de produção, nos corpos que os produzem, em suas estéticas e nos seus espaços-tempos. Do mesmo modo, é nesse local (no presente Mimoso do Oeste) e nesse contexto de surgimento de um novo Festival do curta-metragem no Estado, que afirmamos, com estes filmes, um cinema baiano plural, engajado na derrubada de muros impostos e, ao mesmo tempo, um cinema a esboçar plantas, reconstruindo, a cultivar, fertilizando os campos assolados de veneno. Um cinema de criação de pontes!

O caminho que escolhemos, num todo de 77 filmes inscritos na Mostra Competitiva Bahia, nos parece perigoso e não menos instigante. Vinte e um filmes que parecem ferir com a sensação do brilho*, refazendo e realçando caminhos transversais, encontro entre diferenças, mas também encontros de iguais, mobilizando dores e experiências próximas para construir novas existências no Cinema Baiano e na vida.  

O desejo de atravessar e transformar paisagens historicamente construídas e mantidas pelo coronelismo, pelo racismo, pelo machismo e pela desigualdade social tão latente no Estado da Bahia, se transmuta e se materializa na ação que os próprios filmes encarnam, impregnando, pois, as formas dessas existências.  Nesse realce de vidas, nessa explosão de brilhos, acreditamos que exibir estes filmes nesse renascer do Mimoso é disputar, resistir e afirmar outros modos de viver e a real possibilidade de, no encontro entre pessoas junto com o cinema, transformar as coisas!

O programa Entre o dito e o invisível habita, talvez, este intervalo que o próprio título demarca.  Os filmes se encontram na dialética entre o que se vê e o que não é mostrado, entre o velado e o revelado, como em Orgulho e Sob o Olhar. Contos de Yemanjá está entre a força do que se sente e se sabe, mas não necessariamente se vê. Entre o conto e o recontado, encontra-se  ICÓ - A História de João Valente e Zé Baixinho. Os filmes Cabra Fêmea e CorpoStyleDanceMachine nos convocam a um jogo misterioso, inventivo e reflexivo diante deles e dentro de nós mesmos.

No frio do mundo, no calor das horas aponta pra um cinema de relações, ou mesmo do cinema como Relação. Os filmes aqui se debruçam a refletir, a agir ou a questionar a distância que atravessa ou perturba as proximidades, como em Entardecer, Sujeito Objeto e Não Falo com Estranhos. As ausências se fazem presente, aproximar-se do outro se faz necessário. O Som do Silêncio e Gene, a partir da relação entre pai/mãe e filhos, constroem uma geografia de distâncias, saudades, reaproximações e afetos.

Cartografias concretas, mapas imaginados é um programa sobre trânsitos e movimentos. Os lugares aparecem aqui permeados de disputas e diferenças, como em Próxima Parada: Suíça e em Ocupado. Os filmes afirmam histórias, buscas, proposições, ocupações por direitos, é o caso de Barreiras tem história: Rego, hidrelétrica e matadouro. Afirmam, como em Os Insênicos, o desejo de mudança pela via do coletivo. Em suas formas, estes filmes parecem não só historicizar determinados trânsitos e movimentações, mas orquestrar a partir do cinema uma transformação na maneira como olhamos e sentimos os lugares, é o caso de Previsões.

Reescrevendo Fronteiras apresenta as diferentes formas de ser, de se ver, de ser vista e de construir-se como mulher. Localizam-se nesta encruzilhada de caminhos os filmes A caixa de quatro cômodos e Thamy. Ao mesmo tempo, os filmes parecem buscar pontos de partilha e partida, como em Alternância e Sarau da Onça a partir de experiências, necessidades e urgências comuns. Em Carolina os movimentos e o balançar da reconstrução de si.  As águas da poesia molham, lavam e adensam essas tomadas de imagens e reescritas de fronteiras.

* Gilberto Gil, “Realce”. Na contracapa do álbum homônimo (Warner Music, 1979), Gil escreve: "Realce, uma maneira de dizer a luz geral. Denominar o brilho anônimo, como um salário mínimo de cintilância a que todos tivessem direito. Como a noite de discothéque após o dia de trabalho. Realce, uma maneira de dizer o bem-estar. Denominar o prazer coletivo, o êxtase do simples caminhar contra o vento de qualquer um. Como o domingo de futebol após a semana de fábrica”.

Curadoria: Fabio Rodrigues Filho, Hulle Horrana e Shaolin Barreto.

PROGRAMA 1 - ENTRE O DITO E O INVISÍVEL (70 min)

02/05 às 19h - Quadra do CEU's - Centro de Artes e Esportes Unificados - Bairro Santa Cruz 

ORGULHO

Dir. Ricardo Sena | 2018 | Serra Preta - BA | Ficção | 12 anos | 5 min

 

Sinopse: Jovem acredita que não possui direito de demonstrar sentimentos.

ICÓ - A HISTÓRIA DE JOÃO VALENTE E ZÉ BAIXINHO

Dir. Simário Seixas e Aragonez Fagundes | 2018 | Morro do Chapéu - BA | Ficção | 10 anos | 20 min

 

Sinopse: João Valente é um matador temido em toda a região, chegando na pequena cidade de Icó ele aterroriza toda a população, onde se encontra com Zé Baixinho, um jovem pacato que tem sua vida transformada ao se cruzar com o bandido.

CABRA FÊMEA

Dir. Ana Clara Oliveira | 2017 | Canudos - BA | Ficção | Livre | 4 min

 

Sinopse: CABRA FÊMEA é um filme realizado por LGBTQIA+ da cidade de CANUDOS, através do Cine Trans Territorial, projeto de Cinema e Educação junto a comunidade LGBTQIA+ dos diversos territórios de identidade baianos.

CONTOS DE YEMANJÁ

Dir. Vanessa Aragão | 2016 | Salvador - BA | Documentário | Livre | 14 min

Sinopse: Mulher, mãe, guerreira. É a mãe dos orixás, das águas, das cabeças. Mas como é o seu temperamento, quais seus mitos e curiosidades? Contos de Yemanjá traz, através de personagens de diferentes idades e crenças, histórias de umas das orixás mais cultuadas e conhecidas no Brasil, que tem um pouco de cada uma de nós.

SOB O OLHAR

Dir. João Marciano Neto | 2017 | Cachoeira - BA | Documentário | Livre | 18 min

Sinopse: Por dois dias uma única imagem foi exposta ao público. O acesso era gratuito, porém individual e sob a condição de que cada visitante interpretasse a obra. Em meio a tantos pontos de vista, o que é dito se refere mais a imagem ou a quem fala dela?

CorpoStyleDanceMachine

Dir. Ulisses Arthur | 2017 | Cachoeira - BA | Documentário | Livre | 7 min

Sinopse: "Ando por mistério, vivo por mistério [...] Nosso corpo é uma máquina, ou cuida ou sabe como é né?" Entre memórias da boate e relatos de resistências cotidianas; Tikal, importante personalidade do Recôncavo da Bahia, dança e afronta as normas.

PROGRAMA 2 - NO FRIO DO MUNDO, NO CALOR DAS HORAS (61 min)

03/05 às 19h - Quadra do CEU's - Centro de Artes e Esportes Unificados - Bairro Santa Cruz 

ENTARDECER

Dir. Carla Caroline e Felipe Borges | 2017 | Cachoeira - BA | Experimental | Livre | 5 min

Sinopse: Onde a amizade se despede para continuar...

NÃO FALO COM ESTRANHOS

Dir. Klaus Hastenreiter | 2017 | Salvador - BA | Ficção | 10 anos | 17 min

Sinopse: Gabriel é um cara patologicamente romântico. Prefere viver dentro de si as aventuras que sabe que nunca iria viver. A sala de espera do consultório de um dentista se torna seu habitat natural.

SUJEITO OBJETO

Dir. Djalma Calmon | 2017 | Salvador - BA | Ficção | 12 anos | 14 min

Sinopse: Pedro ganha a vida como estátua-viva.

O SOM DO SILÊNCIO

Dir. David Aynan | 2017 | Feira de Santana - BA | Ficção | Livre | 17 min

Sinopse: O som do silêncio narra a tentativa de aproximação entre Binho, um menino de 10 anos e Osvaldo, seu pai, um homem surdo com quem ele nunca conviveu. A distância e o abandono vividos por Binho já seriam suficientes para dificultar essa aproximação, mas a surdez de Osvaldo acaba por ser um agravante e vai exigir de ambos um grande esforço para se aproximar.

GENE

Dir. Isaac Donato | 2017 | Salvador - BA | Documentário | Livre | 8 min

Sinopse: O filho se casou. A chegada de um novo bebê mudou a rotina da família.

PROGRAMA 3 - CARTOGRAFIAS CONCRETAS, MAPAS IMAGINADOS (61 min)

04/05 às 19h - Quadra do CEU's - Centro de Artes e Esportes Unificados - Bairro Santa Cruz 

PRÓXIMA PARADA: SUÍÇA

Dir. Kauan Oliveira | 2017 | Vitória da Conquista - BA | Documentário | Livre | 10 min

Sinopse: Cachorros abandonados, pessoas diferentes, um cobrador que vive as idas e vindas na cidade, uma dupla conversando em língua de sinais: Esses são os personagens em mais uma semana em Vitória da Conquista, convidando o espectador a observar cotidianos diversos da “Suíça Baiana”, tendo como um ponto em comum o meio de transporte.

OCUPADO

Dir. Coletiva Projeto Cine-humanidades | 2017 | Barreiras - BA | Documentário | Livre | 5 min

Sinopse: Reforma do ensino médio, ausência de ampla participação popular no debate e decisões, acusação de responsáveis pela “crise” política e econômica por parte do novo governo federal. Como resultado estudantes ocupam o IFBA campus Barreiras e protagonizam um processo de resistência e luta pela negociação dos termos da reforma, expandindo as ações de luta para as ruas da cidade se associando a outros grupos. No processo expressam performances artísticas, vozes dissonantes com o governo e apontam “o culpado” pela “crise” na visão destes. O filme constrói uma narrativa a partir de imagens, depoimentos e sons dos e das participantes do movimento, deixando que sejam seus próprios arautos.

BARREIRAS TEM HISTÓRIA: REGO, HIDRELÉTRICA E MATADOURO

Dir. Caique dos Santos Teixeira e Taisa Borges dos Santos | 2016 | Barreiras - BA | Documentário | Livre | 22 min

Sinopse: Por meio de depoimentos, e memória afetiva de um povo, o documentário faz uma abordagem sobre o antigo canal do rego, hidrelétrica e matadouro na cidade de Barreiras.

PREVISÕES

Dir. Wayner Tristao | 2016 | Juazeiro - BA | Ficção | Livre | 9 min

Sinopse: Para onde vai a música após ser tocada? Três tipos tentam traduzir a musica decantada em signos pela cidade.

OS INSÊNICOS

Dir. Rafaela Uchoa | 2017 | Salvador - BA | Documentário | Livre | 15 min

Sinopse: Dos manicômios aos palcos da vida, Os Insênicos reinventam a loucura através da arte. Formado por dezesseis atores portadores de transtornos psíquicos, o grupo de teatro já tem seis anos de existência e está na sua quarta montagem. Helisleide é uma das atrizes do grupo que teve sua vida totalmente transformada pelo teatro, através da história dela o espectador conhecerá Os Insênicos.

PROGRAMA 4 - REESCREVENDO FRONTEIRAS (67 min)

05/05 às 19h - Quadra do CEU's - Centro de Artes e Esportes Unificados - Bairro Santa Cruz 

THAMY

Dir. Herbert Silva Leão | 2018 | Salvador - BA | Híbrido | Livre | 5 min

Sinopse: Thamy uma doce feminista em contraste com a cinza São Paulo.

A CAIXA DE QUATRO CÔMODOS

Dir. Ana do Carmo | 2017 | Salvador - BA | Ficção | 14 anos | 14 min

Sinopse: Regina é uma mulher introspectiva e determinada, vive sozinha em seu apartamento. Ela tem a fotografia como única companhia e se sente protegida por de trás das lentes. Mas contra o que ou quem ela precisa de proteção? A caixa de quatro cômodos é um filme feito por mulheres que busca trazer uma compilação de sensações do que é ser mulher frente às inúmeras formas de violência a que somos cotidianamente submetidas.

CAROLINA

Dir. Lilih Curi | 2017 | Salvador - BA | Documentário | Livre | 10 min

Sinopse: O curta documentário Carolina, busca identificar qual o lugar que Carolina Teixeira ocupa no contexto sócio-político-cultural em que vivemos. Enquadrar esta mulher é dar visibilidade a inúmeras mulheres, nordestinas, artistas e deficientes do Brasil. Através do seu ponto de vista podemos perceber um mundo diferente. Ou a melhor tradução do seu mundo estaria na dança que carrega consigo, na sua relação com o espaço, a matéria, o movimento, na coreografia de sua própria vida?

ALTERNÂNCIA

Dir. Geilane de Oliveira | 2017 | Quixabeira - BA | Documentário | Livre | 14 min

Sinopse: O documentário retrata a pedagogia da alternância adotada pela EFAJ (Escola Família Agrícola de Jaboticaba) sob a perspectiva de mulheres agricultoras do semiárido baiano. Elas falam sobre as suas condições no campo, as suas experiências e vivencias e revelam o potencial da educação do campo para a transformação desta sociedade.

SARAU DA ONÇA - A POESIA DE QUEBRADA

Dir. Vinicius Eliziário | 2017 | Salvador - BA | Documentário | 16 anos | 23 min

Sinopse: "A poesia é o divisor, antes dela a repressão, depois dela a liberdade", assim recita o poeta Evanilson Alves, "Sarau da Onça - A poesia de quebrada" documenta o sarau poético que acontece quinzenalmente em Sussuarana, periferia de Salvador. No palco Abdias Nascimento, mulheres e homens em poesias viram onças na selva da capital baiana.

2019. dois4dois filmes

  • Preto Ícone Facebook
  • Preto Ícone Instagram